Sou a cadelinha de meu filho.

Oi meu nome é Vera é assim que vou me chamar, tenho 37 anos sou divorciada há 3 anos.
Sou dona de loja de roupas bem popular aqui onde moro. Tenho um corpo bem bonito quadril 99 cintura fina e pernas grossas bem torneadas, peitos levemente grandes; pra minha idade ainda são bem durinhos, sou bronzeada de sol e gosto de usar roupas bem curtas.
Vamos aos fatos, depois que separei, meu ex-marido foi morar em outra cidade aonde tem seus negócios, fiquei morando com meu filho desde então. Meu filho que vou chamar de Neco tem 20 anos e um corpão maravilhoso. Neco sempre foi na academia desde seus dezesseis anos, é super saradão, pesa 95 kilos só de massa muscular, e um rapaz doce e muito alegre de um amadurecimento muito precose pois tinha aceitado bem o meu divórcio com seu pai, sempre teve muitos amigos, todos saradões assim como ele, mas pra minha opinião, não de mãe, mas sim como de mulher achava ele o mais gato de todos. Até hoje tem muitas meninas no bairro e na academia que se matariam pra ficar com ele, rsrs....daí vc já pode ter uma noção dele fisicamente.
Bem! em casa a um ano atrás nunca tinha havido entre eu e meu filho coisa alguma, moro em uma casa muito grande com piscina nos fundos, sempre usei roupas curtas, uma por gostar e outra pela cidade ser bastante quente.
Meu filho sempre levava seus amigos em casa pra conversar, escutar musica e estudar. Já estava na faculdade. Sempre percebi olhares dos seus amigos em cima de mim, mas eles eram bacanas e eu sempre conversava com eles.
Um certo dia, chegando da faculdade de tarde meu filho entrou as pressas passou por mim sem me olhar me disse um “oi” bem frio, do qual não era o habitual, indo para seu quarto e trancando a porta. Sem entender nada foi saber o que tinha acontecido:
-O que aconteceu filho?
-Nada mãe
-Eu te conheço vc não é assim, fala comigo, abre a porta - disse eu batendo na porta
-Daí em alguns segundos ele abriu e pude entrar
-Fala o que foi meu amor
-Eu briguei com o Caio, mãe. Dei um soco naquele mané.
-Meu Deus! Mas o que aconteceu, vcs sempre foram tão amigos
-Ah!deixa quieto mãe, já passou.
-Passei a mão pelos seus cabelos, insistindo para que me falasse, depois de algum tempo ele disse:
-É que ele estava falando de vc.
-Falando o que? Gritei surpresa
-Olha ai óh, vc já está brava e tbm fico muito sem graça de dizer essas coisas
-Néco pode ir desembuchando logo filho ou se não vou ficar muito brava com vc
Meio que intimidado com minha reação acabou falando:
-É que ele ficou falando que vc é gostosa.
Fiquei estática, sem reação nenhuma, mais sem graça do que ele, só me lembro de ter dito coisa parecida como – está tudo bem , não ligue para o que os outros dizem – e sai rapidinho dali com a cara mais vermelha que um pimentão.
No outro dia, logo de manhã tomamos café sem dizer uma palavra, eu fui para o trabalho e ele para a academia malhar. Não consegui trabalhar o dia inteiro com aquilo na cabeça. Quando cheguei em casa fui tomar banho para me refrescar, depois de uns minutos escuto a porta da sala se abrir e fechar, era meu filho que acabará de chegar. Percebi que um silêncio se pairava, o que não era muito comum por que meu filho trazia sempre seus amigos em casa. Escuto seus passos pela escada que vão dar até seu quarto e sua porta se fechar. Pensei comigo que ainda estava brigado com Caio, seu amigo. Naquele momento me senti culpada por tudo e não mais consegui tomar banho, desliguei o chuveiro me cobri com uma toalha. Estava decidida a ir lá conversar com meu filho.
Agitada com a situação entrei no quarto dele sem bater, e me deparei com uma visão que quase cegou meus olhos, meu filho estava deitado de barriga pra cima em sua cama apenas de short e seu pênis estava visível, pois atravessava o umbigo, depois de um tempo descobri que ele era um verdadeiro jegue com 24 cm de comprimento por 9 cm de espessura, quando me viu, rapidamente se cobriu com um cobertor que estava do seu lado.
Cobri minha visão com a mão lhe pedindo desculpas, é lógico que ele ficou bravo e sai gritando – se tá doida mãe o que foi que te deu pra entrar assim – puxei-o para uma conversa longa a respeito do que tinha acontecido ontem com Caio. Logo no final da conversa percebi seu olhar diferente para mim, daí me dei conta que estava apenas de toalha sem mais nada por baixo, dei um beijo em sua testa e lá fui me embora mais uma vez com a cara toda vermelha.
Naquela madrugada, acordada percebi que alguma coisa estava acontecendo, nunca tinha passado por coisa semelhante antes e por isso não consegui dormir a noite inteirinha. Quando foi lá pelas 2 horas escutei a porta do quarto de meu filho se abrir e seus passos irem parar lá na sala. Curiosa peguei meu robe e vesti por cima da camisolinha branca e transparente que usava e fui para lá. Quando chego perto escuto um som baixinho de gemidos vindos da sala - o que será que ele estava fazendo - naquele momento diminui meus passos, minha ansiedade tinha aumentado e minha respiração ficou ofegante a cada passo que dava até a porta que estava semi-aberta; ele o deixara assim por que a porta emperrava quando se fechava e fazia um barulho muito grande quando era aberto outra vez; quando aproximei com um do olhos para ver o que acontecia me deparo com uma visão que me deixou estagnada. Meu filho estava assistindo um filme porno e estava no sofá com as pernas arreganhadas batendo um punheta, mas o que tinha me surpreendido não foi o filme e sim o tamanho de seu pênis que ainda estava molão bambeando de um lado pro outro. Fiquei quietinha lá na beira da porta observando. Quando meu filho chegou na ereção plena seu pau ficou com o dobro do tamanho, grossão e rígido como uma pedra, cheio de veias.
Naquele momento meu coração disparou, comecei a suar e minha bucetinha estava toda molhada. Medo, tezão,e culpa tomaram conta de mim.
Devido a um suspiro mais alto que dei acabei por entregar meu esconderijo e para disfarçar acabei entrando lá de vez.
Quando meu filho me viu, pulou no chão vestindo o pijama e me pedindo desculpas - até ficou engraçado - Foi ai que eu lhe confortei dizendo:
- Que isso meu filho, tudo bem, vc já é um homem, acho que estou invadindo sua privacidade, a culpa é toda minha, sou eu que não consigo dormir e vim ver se está bem.
- Tá, tá tudo bem mãe – disse-me totalmente sem graça colocando um travesseiro em cima do pênis.
Sentei-me do seu lado no sofá e puchando conversa perguntei qual filme estava assistindo.
Disse-me:
-Buttmam! Vou trocar de canal pra vc, mãe.
-Não precisa filho, tá com vergonha da sua mãe, eu vou te confessar que também gosto de assistir- dei uma risada falsa.
Ele disse- tudo bem então!
Ficamos ali por um tempo quietos assistindo o filme. Minha bucetinha voltou a ficar molhada com as cenas de sexo, de repente retornei a falar do assunto “Caio”:
-E o Caio, meu filho, já o perduou?
-Ainda não, ele não tem direito de falar assim da senhora.
-Vcs são tão amigos, esquece isso , acho que na verdade a culpa é minha por ficar por ai com roupas curtas, acho que vou parar de usar enquanto seus amigos estiverem aqui.
-Mais porque mãe! vc tem o corpo tão bonito o que é que tem ficar com roupas curtas dentro da sua própria casa, é ele que quis me provocar e teve o que mereceu.
-Vc acha que tenho o corpo bonito? Perguntei surpreendida
Daqui do bairro não tem ninguém que bate vc, vc é a mais linda de todas – disse ele sorrindo
Dei risada do que disse, e aos poucos fomos nos soltando e conversamos sobre mais coisas.
A noite estava quente resolvi tirar meu robe e ficar só com a camisolinha que estava por baixo, como ele já tinha me visto algumas outras vezes com ela, achei que não fosse problema tirar o robe ficando com a camisolinha perto dele.
Meu filho assobiou bem alto me surpreendendo:
Tá vendo mãe, não falei que vc não perde pra ninguém
Caindo Também na brincadeira de meu filho peguei um travesseiro taquei nele, caindo na gargalhada.
Obrigada filho, mas vc também tem um corpo muito bonito Neco
Brincando coma situação ele disse:
-É claro que tenho! as minas não saem do meu pé.
Daí então eu retruquei:
-E o que vc faz com elas, hem? pois vejo que vc tem um dote bem avantajado ai guardado
Ele disse ironicamente - Nem a pau que vou te contar.
Em seguida pulei em cima de meu filho de brincadeira dizendo para ele me contar, a brincadeira estendeu por um tempo até que ele me agarrou, virou de bruços ficando com seu corpo por cima do meu, me dominando, senti aquele enorme estaca atravessada entre minha nádegas. Ele estava usando uma calca de pijama de malha bem fina e eu uma calcinha pequena que sumia dentro de minha bunda volumosa. Me senti muito estranha naquele momento pois aquilo estava me dando muito tezão, senti seu pênis dar algumas pulsadas, duro como uma rocha. Ficamos calados imoveis por um tempo. Minha respiração foi aumentando e meu coração batia rapidamente, pude sentir o seu coração também disparar com seu peito musculoso encostado em minhas costas. O som dos gemidos do filme porno foi me deixando molhada e ele não saia de cima de mim. Excitada com aquilo dei uma leve empinada em minha bunda, em resposta ele deu outra mexida, fazendo com que seu mastro entrasse mais ainda entre minhas nádegas. Começamos a nos roçar levemente, sem dizer nada.
Foi quando ele me deu um abraço bem forte e um leve beijo no rosto dizendo:
-Mãe eu te amo- disse Néco ofegante
-Eu também te amo meu filho!
Logo depois,sem mais nem menos, ele arriou seu pijama até o joelho deixando seu pauzão totalmente nu sobre minha bunda.
-O que vc está fazendo Néco?
-Quero ficar mais à vontade com vc mãe
-Isso é pecado, meu filho. É melhor a gente parar. Voce deve estar pensando em alguma de suas amigas, por isso que está desse jeito, cheio de desejos.
-Sinto desejos sim mãe... mas é pela senhora
-Não diga isso filho tá me faltando com respeito
-Mãe!! eu já não agüento mais ver a senhora por ai de shortinho, exibindo essa bunda maravilhosa, como eu já disse vc é a mulher mais linda e mais gostosa que eu já vi. A gente não escolhe por quem vai sentir tezão.
-Nossa meu filho nunca pensei que vc pudesse ter um sentimento desses por mim.
Néco continuou me encoxando com bastante virilidade e eu me sentindo a pior das mães naquele momento rezei para que acabasse logo com suas encoxadas para ir embora.
Mas não foi o que aconteceu, logo em seguida ficou de joelhos sentado em minhas pernas, agarrou com suas duas mãozonas cada banda da minha bunda, enfiou seu pau entre elas e esfregou com bastante vontade, seus movimentos me fizeram gozar. Como vi que aquilo não iria acabar tão cedo falei com ele para que deixasse bater um punheta, assim gozaria rápido e acabaria com seu fogo, é claro desde que aquilo ficasse só entre nós.
Ele concordou, sentando no sofá de pernas abertas e eu de joelhos em sua frente, peguei em seu pinto enorme, e comecei a punhetá-lo. Meu filho debruçou com cabeça no encosto do sofá soltando gemidos baixou de tezão. Aquela situação humilhante foi se tornando cada vez mais excitante para mim, fiquei admirando aquele pauzão enorme e bonito e o resto de seu corpão musculoso. Fiquei punhetando por uns dez minutos e nada desse menino gozar, já estava cansada, derepente ele me olha e diz:
-Dá uma chupadinha nele mãe
-Não!!!! – disse indignada - Néco é errado e se alguém descobrir?
-Te prometo que não digo nada a ninguém mãe, por favor só hoje
-Quase chorei eu disse: estou me sentindo uma vagabunda, pior que uma prostituta é isso que vc pensa que eu sou?
-Nunca mãe! Vc sempre vai ser pra mim a mulher mais importante da minha vida, eu amo a senhora acima de tudo, sei que vc sempre fez tudo por mim, é mais um dos motivos que me faz admirá-la tanto...
Meu filho continuou falando um monte de bobagem para me convencer ,ele era determinado no que queria, sempre foi assim desde pequeno e eu sempre fazia suas vontades e caprichos. Ele insistia ...Só hoje mãe por favor
submissa mais uma vez com suas palavras, segurei em seu pau novamente sem coragem de encará-lo encostei minha boca nele lambendo só a ponta. Abri minha boca o máximo que pude e abocanhei aquela cabeçona inteira, aos poucos fui relaxando, me conformando e voltando novamente a me excitar. Olhei para meu filho, ele estava com os olhos esbugalhados em mim, acho que não tinha caido a ficha de que aquilo acontecia em sua vida. Comecei a chupa-lo com mais experiência do jeitinho que seu pai gostava, passei com minha língua por toda a extensão de sua cabeçona lisa e pelo orifício que saia sua urina. Meu filho estremeceu, urrou e tezão, me pedindo pra não parar. Naquele momento já não o via mais como meu menino e sim como meu homem.
Derepente Neco se levantou e parecendo estar no auge do seu tezão e com um demônio no corpo me pegou, levantou-me em seguida tirou minha camisolinha e minha calcinha. Fiquei peladinha na sua frente. Já estava totalmente submissa a ele poderia fazer de mim o que bem entendesse naquele momento. Ele me olhou e em seguida me abraçou com força chupou meus seios apalpando minhas nádegas. colocou- me de quatro no sofá deixando o meu bundão completamente a sua mercê. Enfiou lá no fundo dois de seus dedos grossos dentro de minha bucetinha que já estava bem molhada, me fazendo gemer, parecia estar medindo pra ver se eu agüentava aquele cacetão. Segurou-me pela cintura com força em seguida senti sua cabeçona encostar-se à entrada de minha xana. O pecado carnal iria começar. Senti aquela cabeçona empurrando meus lábios vaginais com força, foi entrando abrindo espaço, me esticando toda por dentro, parecia que eu estava sendo penetrada por um jumento, tive uns espasmos vaginais momentâneos que foram facilmente vencidos pelas estocadas de meu menino.
Num momento em que ele parou pensei que ele tinha enfiado tudo, mas pra minha surpresa ele estava só se ajeitando pra enfiar o resto. Os centímetros finais foram os que mais senti dor pois essa área nunca tinha sido atingida antes. Quando encostou o saco na minha buceta vi que já tinha enfiado tudo. Senti-me totalmente preenchida. Rebolei com seu pau todo em minha buceta, recebi vários tapa na bunda e me chamava de gostosa. Eu adorei ouvir aquilo. E pedi para que ele me chamasse do que quisesse. Foi então que ele começou a dizer que eu era a cadelinha dele por que as cadelas que tem filhotes, quando eles crescem comem a própria mãe. Já naquela altura aceitava tudo o que meu filho falava, estava completamente seduzida por ele.
O clima estava gostoso mais derepente senti o movimento de seu pênis querendo sair, ele tirou quase todo para fora deixando só a cabeça. Ele iria começar a me foder. Enfiou todo ele novamente até encostar seu saco na minha vagina e voltava a tirar de novo, ficou num vai e vem maravilhoso digno de um garanhão. Vez ou outra falava que eu era a sua cadelinha e pedia eu dizer também.
Aos poucos fui cedendo a sua chantagem novamente caindo no clima dizendo:
-Eu sou sua cadelinha, Néco
E ele dizia: o que vc é ?
E eu dizia: eu sou sua cadelinha, meu filhote.....eu sou sua cadelinha, cachorrão
Neco foi acelerando suas estocadas, até a ponto de eu não conseguir mais falar, me agarrei no sofá como pude, tinha gozado novamente, suas mãos estavam cravadas na minha cintura, meus seios batiam pra todos os lados, comecei a gemer baixinho e aos poucos ficando mais alto. Quanto mais alto eu gemia mais rápido ele me fudia. Chegou numa velocidade que não parou mais. Estava me fodendo com toda a força que tinha. Vi até estrelinhas naquela hora. Minha buceta estava em brasa e ardia muito. Quase pedi para ele parar. Gotas de suor caiam de seu rosto sobre minha bunda. Socava e socava e não parava. Parecia que iria me foder pra sempre.
Até que num momento ele deu um berro alto, era o gozo que se aproximara, me virei rapidamente para ver. Não deu nem tempo, seu jato de porra veio com força e certeiro na minha cara ficando toda lambuzada com seu esperma. Ele tinha gozado muitíssimo respingando tudo em meus seios e escorrendo pela minha barriga.
Caiu sentado no chão cansado e eu ali toda lambuzada e maravilhada por que ao todo tinha gozado quatro vezes e ele só tava na primeira.
Foi para o banheiro me limpar e logo depois ele apareceu e me abraçou por traz me agradecendo pela noite, virei me para ele dei um selinho. Dizendo:
Quando vc quiser serei sempre sua cadelinha! No outro dia não fui trabalhar, passei o serviço por telefone para as meninas na loja e meu filho não foi na academia, ficamos dormindo o resto do dia agarradinhos.

11 comentários:

Unknown disse...

Que delicia gozei

Roberval dos Santos Mello disse...

Que conto bom, deu pra eu gozar muito

Roberval dos Santos Mello disse...

Que conto bom, deu pra eu gozar muito

Roberval dos Santos Mello disse...

Que conto bom, deu pra eu gozar muito

Unknown disse...

Que mãe vc e eu queria vc como minha mae

Unknown disse...

Que mãe vc e eu queria vc como minha mae

Joseph Month Month disse...

Quem JÁ comeu o cuzinho delicioso da mamãe sabe a delícia que é; Dr ver ela chorando ; gemendo e rebolando na minha pica é muito delicioso.

Filho tarado disse...

Delicioso

Filho tarado disse...

Isto é pra mulheres que curta incesto e como eu não tem com quem conversar sobre o assunto eu tenho 34 anos e sou tarado na minha mãe de 65 anos sabe meu dia só começa se pela manhã eu pegar uma calcinha dela é paternidade uma punheta ....se alguma mulher querer conversar me chama no za

Filho tarado disse...

No zap 18 99675_0602

Paulo César disse...

Olá sou anão bem dotado me chama no Whatsapp mulheres

 
©2009 Casa dos contos eróticos 1.0 | by TNB